Long Article

Um dia na vida de um radiologista

Os radiologistas estão em alta. De acordo com o artigo What It Takes To Become a Radiologist, a radiologia é a quinta especialidade médica mais buscada, com base no volume de pesquisas na web1.

Mas como é um dia típico na vida de um radiologista? Indivíduos que trabalham com radiologista e interessados ​​em ingressar no campo devem saber quais tarefas os radiologistas realmente fazem em um dia comum.

 

Definindo o papel do Radiologista

De acordo com a American Medical Association, os radiologistas2 são médicos que utilizam equipamentos de diagnóstico por imagem, como raios-x, tomografia computadorizada, ressonância magnética, mamografia e PET (tomografia por emissão de pósitrons), para diagnosticar e tratar pacientes.

Os radiologistas também são os responsáveis por comunicar os resultados dos exames aos médicos prescritores, para que planos de tratamento possam ser criados. Além disso, alguns radiologistas realizam procedimentos com equipamentos que utilizam radiação, como alguns equipamentos de diagnóstico por imagem. O papel requer um amplo conhecimento não apenas da tecnologia, mas também da interpretação e das condições potenciais dos pacientes.

 

Requisitos necessários para se tornar um radiologista

Depois de se formar na faculdade de medicina, é necessário concluir uma residência em radiologia por quatro anos. Os últimos dois anos geralmente exigem trabalho de plantão, que alguns consideram fisicamente e mentalmente exigentes.2 Depois, normalmente, um programa de bolsa de um ou dois anos costuma ser feito em uma área especializada da radiologia.

Nos Estados Unidos, por exemplo, os indivíduos devem passar no Medical Licensing Exam ou o Comprehensive Osteopathic Medical Licensing Exam para atuar como radiologista. Além disso, muitos radiologistas devem passar nos conselhos estaduais e receber a certificação pelo American Osteopathic Board of Radiology ou pelo American Board of Radiology. 2

 

Tarefas típicas do radiologista

Ao contrário de algumas profissões, não existem dois dias iguais para aqueles que trabalham no campo da radiologia. Qualquer dia pode incluir uma variedade de condições do paciente, circunstâncias únicas e uso das mais recentes tecnologias.

Normalmente, os radiologistas3 lidam com as seguintes tarefas:

  • Consultar pacientes para entender seu histórico médico
  • Revisar registros médicos
  • Ditar notas médicas
  • Encaminhar pacientes para especialistas
  • Realizar procedimentos de diagnóstico por imagem, incluindo ressonância magnética, tomografia, PET, ultrassom e mamografia
  • Revisar as informações da imagem e preparar relatórios sobre as descobertas
  • Comunicar os resultados para médicos e pacientes
  • Auxiliar no desenvolvimento de planos de tratamento com médicos

Embora a maioria dos radiologistas lide com um conjunto regular de tarefas2, eles também podem trabalhar com as seguintes atividades:

  • Tratar complicações, como problemas de sedação, dor ou pressão arterial, durante ou após procedimentos de imagem
  • Supervisionar e ensinar estudantes de medicina
  • Realizar procedimentos intervencionistas, como colocação de cateteres, biópsias guiadas por equipamentos e angioplastias transluminais percutâneas

No que diz respeito ao desempenho geral do trabalho, os radiologistas precisam ser precisos para evitar erros médicos. No mais, como eles normalmente interagem com os pacientes, eles também devem ter fortes habilidades de comunicação.

 

Outros fatores sobre o dia-a-dia dos radiologistas

A maioria dos radiologistas trabalha mais de oito horas por dia em um ambiente de ritmo acelerado, como um hospital, e em função das crescentes cargas de trabalho e escassez de funcionários. Devido à necessidade de interpretação de imagens 24 horas por dia, 7 dias por semana, os radiologistas também costumam trabalhar muito além da carga horária tradicional4

Uma pesquisa5 com 2.804 radiologistas e especialistas em medicina nuclear mostrou que os radiologistas que trabalhavam em período integral estavam ativos, em média, 50 horas por semana, de acordo com o American College of Radiology. A pesquisa concluiu ainda que a cada ano, os radiologistas passam duas semanas em educação profissional e 4,4 semanas em férias.

Os pesquisados2 reportaram que seu tempo profissional diário era gasto, em média, da seguinte maneira:

  • 68% no atendimento ao paciente hospitalar
  • 18% em atendimento ao paciente no consultório
  • 7% em ensino e pesquisa
  • 5% em tarefas administrativas 

 

Estresse e saúde do radiologista

O horário não tradicional de trabalho pode afetar a saúde física e mental, precisão interpretativa, vida social e produtividade profissional de um radiologista.

Eles devem prestar atenção5 às causas de estresse e outros efeitos adversos que podem levar ao esgotamento. Como em muitas outras carreiras de alta pressão, os radiologistas podem remediar esses efeitos, mantendo estilos de vida saudáveis, seguindo uma dieta adequada e recebendo apoio quando necessário.

Um outro ponto é sobre a exposição. Como os radiologistas costumam trabalhar em hospitais onde estão em contato com um grande volume de pessoas, eles entram em contato com doenças infecciosas e outras condições médicas. Além de todo o cuidado nesse aspecto, eles também devem usar equipamento de proteção especializado para limitar sua exposição à radiação.

 

Os radiologistas têm uma carreira acelerada e impactante

Tornar-se radiologista pode ser gratificante, pois ajuda outros médicos a diagnosticar e tratar pacientes.

Além disso, como o setor de saúde depende cada vez mais de tenologias de diagnóstico por imagem e inovações no avanço das tecnologias, o setor de radiologia continuará a crescer. É um ótimo momento para as pessoas interessadas começarem suas carreiras.

 

Referências

  1. Merritt Hawkins. 2018 Review of Physician and Advanced Practitioner Recruiting Incentive. https://www.merritthawkins.com/uploadedFiles/Merritt_Hawkins_2018_incentive_review.pdf Web. 21 de Abril, 2018.
  2. Radiology – Diagnostic. American Medical Association. https://www.ama-assn.org/specialty/radiology-diagnostic Web. 1 de Maio, 2018.
  3. Itri, JN., et al. Teaching Communication Skills to Radiology Residents. Current Problems in Diagnostic Radiology. 2017. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28291556 Web. 19 de Maio, 2019.
  4. Rohatgi, S., et. al. After-Hours Radiology: Challenges and Strategies for the Radiologist. American Journal of Roentgenology. November 2015. https://www.ajronline.org/doi/full/10.2214/AJR.15.14605 Web. 20 de Maio, 2019.
  5. Deitch, CH, et. al. How U.S. radiologists use their professional time: factors that affect work activity and retirement plans. Radiology. 1995. https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiology.194.1.7997578 Web 1 de Maio, 2019.