Long Article

O estresse reduzido no local de trabalho melhora a precisão da imagem

O uso controlado da radiação ionizante - tecnologia de raios-x - revolucionou o diagnóstico e o tratamento das doenças. Tanto que o plano de tratamento de um médico e o prognóstico de um paciente dependem fortemente de resultados precisos, e são os avanços nos equipamentos de imagem que tornam isso possível. No entanto, no final do dia, a utilidade dessa ferramenta está nas mãos de um ser humano vivo e que respira.

Devido, em parte, à alta demanda pelo serviço, maior ênfase foi dada ao apelo da multitarefa para o tecnólogo. A tensão e o desgaste resultantes desse modelo aumentam o potencial de erros médicos por técnicos de tomografia computadorizada. Felizmente, pequenos ajustes na interface do usuário podem ajudar a reduzir bastante os níveis de estresse nos departamentos de radiologia.

 

A importância da interface do usuário

A interface do usuário é o ponto em que homem e máquina se reúnem. É a fusão de hardware e software que troca informações entre o operador e o dispositivo para que tarefas específicas possam ser executadas. A informática, uma forma aplicada de engenharia da informação, é uma parte da interface do usuário que capta as contribuições desse usuário. Essa comunicação das necessidades do tecnólogo pode ocorrer por meio de mouse de computador, reconhecimento de voz, teclado ou alguma combinação desses elementos. Os resultados disso, como telas e sons que traduzem cálculos do computador, completam a interface do usuário. 1

Uma experiência significativa para o usuário, resultado da interface ideal, é avaliada tanto pela ergonomia quanto pela psicologia. O padrão regulamentar da Organização Internacional de Normalização (ISO) 9241 define requisitos ergonômicos destinados a garantir o conforto e, portanto, a produtividade do usuário. Seus regulamentos ajudam a reduzir o estresse e evitar acidentes.1

 

Otimizando eficácia, eficiência e satisfação

Existem cinco maneiras simples de melhorar a usabilidade, reduzindo os níveis de estresse para os tecnólogos:

  • Simplificar a barra de ferramentas – Modificações no fluxo de trabalho, como a otimização da interface do usuário, reduzem a sobrecarga cognitiva nos departamentos de radiologia.2 Pesquisas indicam um impacto positivo da automação da extração de  histórico de imagens, de dados de relatórios e da simplificação da barra de ferramentas.2
  • Gerenciar grandes conjuntos de dados de maneira eficaz - Em um estudo do Journal of Digital Imaging3, pesquisadores determinaram que os departamentos de radiologia podem se beneficiar do uso de dispositivos com interface do usuário alternativas. Especificamente, o estudo sugeriu considerar um tipo de interface comum aos videogames e edição de vídeo - indústrias que já entendem a importância da ergonomia no trabalho de arquivamento de imagens e sistemas de comunicação.
    Esta pesquisa concluiu que interfaces alternativas permitem uma navegação mais eficiente nos grandes conjuntos de dados usados ​​nos departamentos de imagens médicas. O estudo não determinou se alguma interface era superior às outras, apontando para um viés de preferência pessoal, mas o ponto principal foi o benefício de poder considerar outros dispositivos além do mouse, que já é padrão, como opção.3
  • Definir telas para a melhor visualização possível - A capacidade visual humana1 é um fator limitante nas interfaces relacionadas às imagens médicas. O olho pode distinguir com uma potência máxima de 0,21 mm, e o ponto focal fisiológico do olho está a cerca de 60 cm do visualizador. Esses dois fatores criam padrões técnicos para radiologia.1
    Para uma visualização ideal, a dimensão diagonal da tela deve estar localizada a 80% da distância do olho, correspondendo a um tamanho de tela de aproximadamente 50 cm1 (cerca de 20 polegadas). A tela do tamanho certo a uma distância adequada pode reduzir drasticamente a fadiga ocular.
  • Reduzir o estresse repetitivo - de acordo com um estudo do American College of Radiology study4, 70% dos tecnólogos de radiologia que trabalhavam em um departamento totalmente digitalizado sofriam sintomas de estresse repetitivo. Além disso, 68% relataram passar duas horas por dia em uma postura desajeitada enquanto estavam sentados em frente a um sistema de arquivamento e comunicação de imagens.
    A maioria dos indivíduos pesquisados ​​atribuiu os sintomas de estresse aos equipamentos de imagem4 em si, que perderam apenas para o estresse relacionado ao paciente. O estudo concluiu que os sintomas de estresse repetitivo eram altos entre os tecnólogos de radiologia. Pesquisas indicaram ainda que a ergonomia aprimorada para transferência de pacientes e dos equipamentos de imagem poderia reduzir os sintomas de estresse. 4
  • Limitar a repetição de exames – Um dispositivo que consiste em um vídeo colorido e uma câmera de profundidade, além de software e interface de usuário proprietários, reduz a exposição à radiação para os pacientes. Essa configuração também exige menor repetição de exames, o que, de acordo com um relatório da Radiology Pediatric, é um fator que aumenta a tensão na jornada de trabalho de um técnico. 5
    Este dispositivo inclui um monitor na sala de controle de raios-x. Ele exibe a posição do paciente, em tempo real, em relação às câmaras de controle automático de exposição e à área receptora da imagem. De acordo com o relatório, as medições automáticas do paciente ajudam o tecnólogo a definir a técnica de raio-x e auxiliam na detecção de erros de posicionamento e movimento, antes da exposição à radiação. 5

 

Quase todos  que lêem este artigo devem um diagnóstico médico preciso à tecnologia radiológica ou possuem um amigo ou ente querido em sua vida por causa disso. Melhorias ergonômicas e no fluxo de trabalho que ajudam os tecnólogos a fazer melhor seu trabalho são benéficas para todos.

 

Referências:

  1. A review of existing and potential computer user interfaces for modern radiology. Imaging Insights. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6108970/ Acessado em 7 de Maio, 2019.
  2. Innovation Strategies for Combating Occupational Stress and Fatigue in Medical Imaging. Journal of Digital Imaging. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3389096/ Acessado em 8 de Maio, 2019.
  3. Alternative user interface devices for improved navigation of CT datasets. Journal of Digital Imaging. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3046793/ Acessado em 8 de Maio, 2019.
  4. Repetitive stress symptoms among radiology technologists: prevalence and major causative factors. American College of Radiology. https://www.jacr.org/article/S1546-1440(10)00283-8/pdf Acessado em 8 de Maio, 2019.
  5. Development of a tool to aid the radiologic technologist using augmented reality and computer vision. Pediatric Radiology. https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00247-017-3968-9 Acessado em 8 de Maio, 2019.