Fibrilação
atrial

SOLUÇÕES PARA CARDIOLOGIA

Pacientes com fibrilação atrial são hospitalizados duas vezes mais do que os pacientes sem fibrilação atrial e têm uma probabilidade três vezes maior de apresentar várias internações.1 A fibrilação atrial custa aos Estados Unidos cerca de US$ 26 bilhões por ano.1

A jornada do paciente

DETECÇÃO PRECOCE
Há um forte vínculo entre fibrilação atrial e acidente vascular cerebral (AVC). Um em cada cinco casos de AVC pode ser atribuído a essa condição. Cerca de 30% das pessoas que enfrentam AVCs relacionados à fibrilação atrial acabam morrendo durante a internação hospitalar e outros 20% provavelmente irão morrer dentro de um ano. Os cuidados para pacientes com fibrilação atrial começam com a identificação de populações de alto risco, por exemplo, pacientes com apneia do sono, obesidade e/ou hipertensão. Algumas diretrizes regionais recomendam a triagem regular de todos os pacientes com mais de 65 anos de idade.3
DIAGNÓSTICO
O diagnóstico é baseado em parte na interpretação de ECG do ritmo cardíaco e do histórico clínico.3 Estudos indicam que um dos principais fatores é diferenciar a fibrilação atrial crônica e a paroxística para encontrar a estratégia de gestão ideal para o paciente.3
GERENCIAMENTO INICIAL
Os pacientes normalmente são tratados com terapia médica, como medicamentos anticoagulantes e antiarrítmicos. Imagens cardiovasculares também podem ser utilizadas para ajudar a determinar a função cardíaca. Para pacientes que não respondem apenas à terapia médica, há opções de tratamento não cirúrgico, como cardioversão e ablação.3
PLANEJAMENTO PRÉ-PROCEDIMENTO
Se considerar a ablação do cateter como uma opção de tratamento, o planejamento pré-procedimento pode envolver o uso de imagens de RM ou TC para identificar alvos anatômicos para o procedimento e entender a extensão da fibrilação atrial. Essas imagens podem ajudar a orientar as decisões sobre a necessidade de fechar o apêndice atrial esquerdo em determinadas populações.3
INTERVENÇÃO
Durante a intervenção, é importante minimizar complicações. O uso do sistema intervencionista deve ser otimizado para o sucesso clínico enquanto ajuda a minimizar o contraste e a exposição à radiação do paciente e do médico.
ACOMPANHAMENTO DE PACIENTE
Depois de uma ablação, o acompanhamento regular do paciente e a avaliação de imagens não invasivas podem detectar um possível retorno da fibrilação atrial.3
FUNDAÇÃO E INOVAÇÕES DIGITAIS
Soluções digitais, análises e inovações em IA, como a Plataforma Edison da GE Healthcare, o Muse e o Centricity Cardio Enterprise, conectam completamente nossas tecnologias a profissionais para obter melhores desfechos cardiológicos, com mais eficiência.
  • As últimas novidades em cardiologia

REFERÊNCIAS